Devocional

Antes de tomar uma decisão, Ore!

Num daqueles dias, Jesus saiu para o monte a fim de orar, e passou a noite orando. Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze deles (Lucas 6.12,13).

Em geral, sempre deliberamos, quando precisamos tomar decisões importantes na vida. Ou seja, seguimos — ou pelo menos deveríamos seguir — o “padrão da prudência”, isto é, o critério de não agir sem refletir, de não escolher sem antes pensar. Afinal, como diz Provérbios 19.2, quem não pensa antes, peca por precipitação.

Contudo, não é preciso ser cristão para chegar a essa conclusão. Inúmeros filósofos não cristãos também concluíram que não é bom agir sem refletir e que, portanto, a “prudência” é uma virtude que deveria ser almejada por todos. Todavia, há, pelo menos, dois tipos de prudência. Uma é a prudência dos sábios segundo seus próprios pensamentos; a outra é a prudência dos sábios segundo os pensamentos de Deus. Explico. A prudência dos sábios segundo seus próprios pensamentos é resultado de um esforço de reflexão e submissão; enquanto a prudência dos sábios segundo os pensamentos de Deus é resultado de um esforço de submissão e reflexão. Nesse caso, a ordem dos fatores altera, sim, o produto! Veja, a prudência dos sábios segundo seus próprios pensamentos começa com a reflexão que visa o ato bom para, então, terminar em submissão; já a prudência dos sábios segundo Deus começa com a submissão e termina com a reflexão que visa o ato bom.

Jesus demonstrou que sua sabedoria era segundo os pensamentos de Deus, uma vez que seu primeiro movimento não foi de reflexão, mas de submissão. A oração mostrou o quanto Jesus estava comprometido primeiramente com a obediência a Deus. Cristo não confiou primeiro em suas habilidades racionais, mas, sim, em sua comunhão com Deus. Essa é a grande diferença e vantagem da prudência cristã em relação à prudência pagã. Se, por um lado, a prudência pagã, pautada apenas na racionalidade, gasta horas e horas a fio pensando numa ação que resulte de uma reflexão lógica e racional, por outro lado, a prudência cristã luta para submeter o coração a Deus desde o início. Só depois de ter um coração submisso ao senhorio de Cristo, o cristão se vê capaz de refletir sobriamente sobre a decisão certa a tomar.

Portanto, ao que parece, há apenas duas maneiras de tomar uma decisão correta na vida. Uma demandará bastante tempo de reflexão, porém, mesmo assim, o longo tempo de reflexão não poderá garantir que a decisão a ser tomada estará correta. Em contrapartida, a outra maneira de decidir também demandará muito tempo, mas será um longo tempo de oração para submeter nossa mente à mente de Cristo. Quem se submete ao senhorio de Cristo tomará sempre as melhores decisões, ainda que elas pareçam ser as piores decisões.

Texto por: Jonas Madureira, pastor da Igreja Batista da Palavra.
Original: Hangar Teológico

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *