Certa vez um amigo do teólogo R. C. Sproul lhe perguntou: “Qual é a grande ideia da vida cristã?”. Seu interesse estava naquilo que é mais importante, descobrir o objetivo final da vida cristã.

A resposta de Sproul foi: “A grande ideia da vida cristã é coram Deo. Coram Deo captura a essência da vida cristã”.

Mas a final de contas, o que significa coram Deo?

Coram Deo é uma expressão teológica em latim cunhada no século XVI no contexto da Reforma Protestante, cuja tradução significa “diante de Deus”. O conteúdo teológico por trás desta expressão é profundo e tem como objetivo primário promover a consciência de que a vida cristã é, essencialmente, viver na presença de Deus, sob a autoridade de Deus e para a glória de Deus.

No Catolicismo Medieval era muito comum a ideia de dividir a vida entre o sagrado e o profano; entre o religioso e o não religioso. A distorção dessa verdade promoveu um tipo de espiritualidade empobrecida, que não conseguia conectar a mensagem do evangelho com a vida. Foi contra esse sacrilégio que os reformadores protestaram afirmando que todos nós vivemos na presença de Deus.

A existência humana é vivida coram Deo, “diante de Deus” ou “na presença de Deus”, como dizia Lutero. Calvino fez uma afirmação semelhante ao insistir que, em todas as dimensões da vida, os seres humanos têm “negócios com Deus” (negotium cum Deo). No mesmo sentido, K. Scott Oliphint destaca que “todas as pessoas, apenas por serem a imagem de Deus, são responsáveis diante de Deus por tudo o que são, fazem e pensam. Encontram-se, portanto, em um pacto com ele pela eternidade. Cada pessoa vive coram Deo, isto é, perante a face de Deus, e assim é responsável diante dele por todo pensamento e ação”.

Viver a vida inteira na presença de Deus é entender que absolutamente tudo o que estamos fazendo e onde quer que estejamos fazendo isto, nós estamos agindo debaixo do olhar fixo de Deus. A ideia central é que, em todos os seus empreendimentos, o homem estará sempre servindo a Deus ou não. Por isso, tudo que o homem faz, o faz para a glória de Deus ou para a sua desonra.

Embora não estejamos na era medieval, se olharmos para grande parte da igreja hoje, vemos que o coram Deo é um princípio que se perdeu. A maioria dos crentes de nossa geração vive um cristianismo que é totalmente divorciado da sua experiência de realidade. É um cristianismo subjetivo, que só é percebido, ou vivido, quando a pessoa está na igreja, servindo em algum ministério, ou quando está fazendo missões.

Esse pensamento dicotomizado, que separa as atividades religiosas das demais atividades, está tão arraigado em nossos dias, que é comum vermos cristãos, em geral novos convertidos, falando a seus pastores: “quero muito servir a Deus, há alguma vaga em algum ministério para mim?”. Assim, há uma supervalorização das atividades consideradas “espirituais” e uma negligência com relação às atividades chamadas seculares, como o estudo, o trabalho, a família e as outras responsabilidades que, em tese, não estão diretamente relacionadas à nossa fé.

Conta a história que, na época da reforma, um sapateiro recém convertido perguntou a Lutero o que deveria fazer para servir bem a Deus. Ele talvez esperasse o conselho de fechar o seu negócio e tornar-se pregador do Evangelho. Lutero respondeu: “Faça um bom sapato e venda-o por um preço justo”. Para o sapateiro, servir a Deus só seria possível se ele dedicasse todo o seu tempo a pregar o evangelho. Não imaginava que poderia servir a Deus fazendo sapatos. Afinal, o que sapatos têm a ver com o Reino de Deus?

A questão é que o Reino de Deus não se resume às atividades realizadas na igreja, mas envolve tudo o que fazemos, falamos e pensamos. Tudo deve estar debaixo do senhorio de Cristo. Toda nossa vida é para a glória de Deus, todo nosso ser, todas as áreas que possamos atuar ou vivenciar está debaixo do glória de Deus e devemos usá-las para honrar e glorificar a Deus!

Abraham Kuyper explicou essa ideia da seguinte forma:

“Onde quer que o homem esteja, seja o que for que faça, ou no que aplique a sua mão, na agricultura, no comércio, na indústria, ou sua mente, no mundo da arte, e ciência, ele está, seja onde for, constantemente diante da face de Deus, está empregado no serviço de Deus, deve obedecer estritamente a seu Deus e acima de tudo deve ter como alvo a glória de Deus.”

A resposta de Lutero ao sapateiro mostra que tudo aquilo que é bom e justo é visto como expressão do caráter de Deus. Ou seja, podemos e devemos servir a Deus em nosso dia-a-dia, mesmo nas coisas mais simples. A base para conhecermos o que é “bom” ou “justo” está na própria Bíblia, que nos mostra o padrão moral que Deus estabelece para nós, e é expressada de forma perfeita no exemplo de Jesus. Ele deve ser o ponto de partida e o objetivo de tudo o que fazemos.

Portanto devemos viver para glória de Deus por meio do que somos e do que fazemos. Como ensinaram os apóstolos Paulo e Pedro:

“Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus” (1 Coríntios 10:31).

“E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.” (Colossenses 3:17)

“Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!” (1 Pedro 4.11)

Como tem sido a sua vida cristã? Você tem vivido coram Deo? Quer se aprofundar no tema? Nós indicamos esse livro, que pode ser adquirido pela Amazon:

Leitura recomendada sobre o tema:

Referências:

OLIVEIRA, Fabiano de Almeida. Philosophando Coram Deo: uma apresentação panorâmica da vida, pensamento e antecedentes intelectuais de Herman Dooyeweerd. Fides Reformata, São Paulo, SP, v. 11, n. 1, p. 73 – 100, jan – jun. 2006. Publicado em: http://monergismo.com/wp-content/uploads/dooyeweerd-apresentacao-panoramica_fabiano-almeida.pdf. Acessado em: 19/12/2018.

SPROUL, R. C. What Does “coram Deo” Mean? Publicado em: https://www.ligonier.org/blog/what-does-coram-deo-mean/. Acessado em: 19/12/2018.

BRINK, Tijs van den. Viver Coram Deo. Publicado em: http://reformando-coram-deo.blogspot.com/2011/12/viver-coram-deo.html. Acessado em 19/12/2018.

SANTOS, Judiclay. Coram Deo: a essência da vida cristã. Publicado em: http://judiclaysantos.blogspot.com/2013/11/coram-deo-essencia-da-vida-crista.html. Acessado em: 19/12/2018.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *